jovem agredida por namorado se forma em Direito e quer auxiliar outras mulheres

473

Após ser vítima de violência doméstica, Isabella Lacerda conseguiu transformar sua dor em propósito. Ela foi agredida pelo então namorado por ter bebido cerveja “sem a permissão dele”. À época do crime, a jovem ainda era estudante de Direito. Agora, prestes a colar grau, no próximo dia 8 deste mês, a futura advogada pretende usar a profissão para representar as mulheres e lutar contra a violência doméstica e familiar.

O crime ocorreu em dezembro de 2022, no Setor Sudoeste, em Goiânia. Após ver um vídeo em que Isabella estava tomando cerveja, o ex-namorado foi até o local onde ela estava, com uma arma a obrigou a entrar em um carro. Enquanto foi mantida em cárcere privado no veículo, foi ameaçada de morte, teve os cabelos puxados, recebeu murros e golpes com uma pistola no rosto e braços.

Isabella relata que, após o crime, pensou em desistir da faculdade, inclusive entrou atrasada no último semestre. Ela achava que não iria conseguir concluir o curso. Contudo, mesmo diante dessa situação, disse que foi forte para lutar e alcançar o seu sonho.

A jovem salienta que, inicialmente não entendia o propósito de ter passado por momentos tão difíceis. Mas conseguiu compreender sua missão. “Foram tempos desafiadores. Hoje, sinto na pele o significado de resiliência e de ser instrumento na vida das pessoas”, ressalta.

“Tornei minha história minha fortaleza, aumentando tudo que tinha dentro de mim. As minhas forças por um momento acabaram, mas eu percebi que poderia usar isso para alcançar lugares que antes não alcançaria. Todos os dias muitas mulheres entram em contato comigo, com isso, sei que tenho conhecimento o suficiente para transformar vidas e famílias”, diz Isabella.

Ainda mais forte

Isabella observa que já tem ajudado mulheres que estão em estado vulnerável por conta da violência. “Sinto o que elas sentem, vivi o que elas viveram (vivem), passei por todo o processo, aprendi com ele e tenho certeza de que consigo auxiliar essas vítimas nesse percurso. O que aquele dia não me matou me deixou ainda mais forte. E, por isso, sinto que devo dar meu melhor para combater esse mal que assola tantas famílias no Brasil e no mundo.

Sonho

O desejo de Isabella, segundo conta, sempre foi ser advogada e exercer a advocacia genuína. Ela pretende prestar o próximo Exame de Ordem para poder concluir o sonho. A jovem já cursa pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal e quer atuar se especializar na área criminal. Futuramente, pretende estudar para concurso do Ministério Público (MP).

Condenação

No último mês de maio, o empresário Thiago Brandão Abreu, de 40 anos, acusado de agredir Isabella, foi condenado a 9 anos e 9 meses de reclusão e 3 meses e 22 dias de detenção. Ele também terá de pagar R$ 20 mil à vítima, a título de reparação pelos danos a ela causados. A sentença é da juíza Sandra Regina Teixeira Campos, do 3º Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.

Fonte: Rota Jurídica

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui