Justiça do Trabalho proíbe ex-prefeito de ameaçar equipe para que vote no candidato de sua preferência

Além da denúncia contra Eronildo na Justiça do Trabalho, na Câmara, vereador denuncia que Vanuza, atual prefeita e esposa de Eronildo, também teria coagido servidora.

1297

Após vazamento de áudio e denúncia na Justiça Trabalhista, através da Vara do Trabalho de Uruaçu, foi expedida decisão liminar proibindo o empresário e primeiro-cavalheiro de Porangatu (marido da prefeita Vanuza Valadares) Eronildo Lopes Valadares de praticar coação político-partidária contra funcionários de sua empresa.

No áudio, Eronildo diz que vai fechar empresa se Lula vencer e que é isso que os empresários tem que para mostrar que se eles querem o emprego, que dê valor em quem arruma o emprego pra eles, senão terão que procurar o pessoal do PT pra arrumar o emprego pra eles.

Eronildo finaliza o áudio dizendo que precisam tomar essa decisão porque todos eleitores do Bolsonaro tem potencial de conquistar mais um voto, entre outras falas.

Em 2012, Eronildo Valadares foi eleito prefeito de Porangatu pelo MDB e teve Galeno, do Partido dos Trabalhadores, como vice-prefeito. A chapa obteve 13.687 votos, o que representou 58,19% dos votos válidos. A executiva do PT gravou respondendo ao áudio e chamou o empresário e político, de ingrato e covarde. Nestas eleições Eronildo e Vanuza, lançaram seu filho Givago Valadares, candidato a deputado estadual. Até então, a família Valadares não havia sequer declarado publicamente seu candidato a presidente.

Givago foi o mais votado da cidade, e teve expressiva votação no Estado, porém não foi eleito. Na sessão ordinária desta segunda-feira (10), o vereador Cristhian Chagas usou a tribuna para denunciar que a prefeita, Vanuza Valadares, esposa de Eronildo e mãe de Givago, também teria perseguido servidores efetivos e/ou comissionados ligados a vereadores que não apoiaram o filho dela.

“Em muitos casos essa prática é tida por muitos como normal no meio político. Para mim não é! Outro ponto que cabe destacar é que nessas eleições de 2022, durante minhas visitas aos órgãos públicos da cidade de Porangatu, vários servidores me chamavam nos cantos ou em suas salas, para reclamarem estar sofrendo assédio moral e pressão psicológica para que apoiassem os candidatos que a gestão da cidade de Porangatu estava apoiando. Mas que não iram formalizar a denúncia por medo de perderem seus empregos”, pontuou o vereador.

Em nota divulgada a imprensa, tanto Vanuza quanto Eronildo negam que tenham ameaçado ou perseguido colaboradores.

OBRIGAÇÕES IMPOSTAS A ERONILDO

A liminar com as imposições a Eronildo, foi tomada pela juíza do trabalho Carolina de Jesus Nunes, após ele se recusar a assinar Termo de Ajuste de Conduta (TAC) comprometendo-se em cessar o constrangimento a seus colaboradores. Entre as obrigações impostas estão:

Garantir aos trabalhadores o direito fundamental à livre orientação política e à liberdade de filiação partidária;

Deixar de fazer ameaças ou promessas de concessão de benefício ou vantagem em favor ou desfavor de qualquer candidato ou candidata ou partido político;

Deixar de discriminar ou perseguir trabalhadores por crença, convicção política, de modo que não sejam praticados atos de assédio ou coação eleitoral, no intuito de constrangimento e intimidação.

MULTA

Em caso de descumprimento das obrigações, está prevista uma multa de R$ 45 mil por item não cumprido. Nesta quarta-feira, a defesa de Eronildo informou que ainda não foi intimada da decisão.

Além de ajuizar ação, o MPT-GO expediu uma recomendação à Federação das Associações Comerciais, Industriais, Empresariais e Agropecuárias do Estado de Goiás (Facieg), com o objetivo de alertar empresários e empregadores quanto ao assédio eleitoral no ambiente de trabalho.

Em nota, a Facieg informou que o departamento jurídico da entidade já foi acionado e, dentro do prazo concedido, responderá a notificação recebida. A federação disse que não comunga com nenhuma prática que tire a liberdade individual ou coletiva, que ofenda o estado democrático ou que comprometa o bom ambiente de trabalho.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui